sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Maldade...

Estou triste... Mas uma tristeza tão profunda que dói, me tira o ar, a fome, o sono.

Não... Não estou com o coração partido. Tirando a saudade louca, ele está muito bem, obrigada.

Minha tristeza é devido à maldade humana. É saber que o mal está por ao, vencendo uma batalha atrás da outra. É saber que não importa o bem que você faz, sempre tem alguém cruel que consegue te fuder e se dar bem.

Minha tristeza é por saber que existem pessoas tão ruins, que não se importam em destruir pessoas, empregos, amores. Elas simplesmente querem fazer mal.

Estou muito triste.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Ninho de cobras

E hoje tive mais um pesadelo.
Sonhei que viajava com minha família e íamos para um hotel. E meu quarto tinha o tema de halloween.
Assustador, apavorante, cheio de ornamentos de árvores mortas, morcegos de papel e vasos e cestos velhos.
Eu xingando muito, puta da vida com a decoração, odiando tudo, reclamo que quero mudar de quarto.
Nisso, meu cunhado sacana dá um chute num dos cestos velhos e gigantescos, e eis que caem milhares de cobras e serpentes de todas as cores e tamanhos.
Entro em pânico total, começo a gritar, olhando desesperada para a minha família, e ninguém se mexe, olham pra mim com cara de desaprovação como se eu estivesse exagerando por causa de algumas "cobrinhas".
Até que uma das cobras me pica, morde, mastiga na perna. Ela não era venenosa, mas a dor foi dilacerante.
Desço para reclamar na recepção, e as pessoas me tratam como um nada, como se aquela fosse a grande atração do hotel. E então eu olho ao redor e vejo as pessoas brincando com as cobras, e cobras gigantes por todos os lados.
Nisso uma "anaconda" sai em disparada em direção à três crianças que estavam brincando. Entro em desespero, grito, aviso, mas ninguém me dá bola.
Até que a cobra engole uma das crianças numa bocada só.
Forcei acordar porque não aguentava mais.
Estou tão cansada de viver no meio de cobras, vontade de deixar de existir.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Manhunt

Hoje tive um pesadelo ao estilo do jogo super violento chamado Manhunt.
Apesar do sonho se passar na "vida real", estávamos participando de uma competição de grupos, onde o objetivo era hackear o computador dos grupos adversários. E eram todos formados por pessoas conhecidas, amigos, colegas de trabalho, colegas de faculdade.
Primeiro você tinha que achar o computador pra hackear, nisso você já matava meia dúzia de pessoas no caminho. Quando achava o PC, tinha o tempo pra invadir, dependendo da criptografia. E os membros da sua equipe ficavam de guarda, matando qualquer um que se aproximava.
Lembro que a última cena do sonho era eu sozinha tentando hackear o último PC, e, repito, SOZINHA, quando se aproxima o "chefão" do grupo: uma mulher que devia pesar uns 300 kgs. E eu tentando matar a mulher com uma marreta e ela não morria.
Acordei.
Cara, que sonho bizarroooooo. Acordei assustada com meu cérebro.
O.o

sábado, 24 de janeiro de 2015

Que assim seja...

Estava escrito.
Tudo aconteceu pra gente se encontrar.
E pra gente se encontrar nesse momento, nessa vida.
Pra que você pudesse olhar pra uma mulher diferente, meio menino e ficar encucada, sentir uma coisa esquisita.
Pra eu olhar pra você e ficar admirada e na dúvida se teu sonho queria dizer algo.
E aos poucos, tudo ir se encaixando perfeitamente.
E aquilo tudo que parecia ser tão diferente, tão distante, se tornar cada vez mais certo, mais natural...
Mais inevitável...
Mais incontrolável...
Mais apaixonante...
Mais inebriante...
Mais perfeito...